Hora de abandonar o YouTube?

O vídeo acima viralizou no Hacker News. Trata-se de um professor de guitarra contando como seu canal do YouTube foi ameaçado de ser deletado, sem explicações claras. É pelo menos o terceiro vídeo desse tipo que eu assisto nesta semana.

Na boa, já passou da hora de começar a investir em alternativas ao YouTube. Peertube, Vimeo, Internet Archive e até mesmo fazer seu próprio blog e hospedar o material lá.

Há desvantagens? Claro. Mas precisamos romper com a mentalidade passiva das redes sociais (receber notícias pré-filtradas e sem pensar). E ajudar os serviços menores a melhorar e espalhar práticas mais saudáveis.

O YouTube é um problema tanto para o usuário – que pode ficar preso ao vício, às bolhas de algoritmos e às propagandas intrusivas –, quanto para os criadores – que, além dos motivos expostos no vídeo acima, também se deixam levar pelo estímulo pavloviano de “crescer o canal”.

Acho que vale um esforço inicial de publicar no YouTube e avisar que o mesmo conteúdo (ou melhor) está disponível num outro espaço mais livre. Funcionaria como um momento de transição: no YouTube, o teaser, no meu site, o material completo.

E se clicar for trabalho demais pra audiência, talvez ela não se importe tanto assim com o seu conteúdo. Eu prefiro ter um leitor / participante da comunidade realmente interessado, a ter milhões de views vazias de sentido no YouTube. Prefiro humanos às estatísticas.

No passado, fomos totalmente capazes de criar e distribuir informação na Internet sem precisar das redes sociais. Isso ainda é possível hoje em dia. E, se quisermos que seja no futuro, temos que pular do barco antes que seja tarde demais.

Mais ou menos como o Cory Doctorow está fazendo ao criar uma alternativa ao Audible.