Ligação do universo paralelo

 

Outubro de 2020: cientistas do Large Hadron Collider, na Suíça, anunciam que, ao criar mini-buracos-negros em laboratório, conseguiram fazer contato com universos paralelos.

Fevereiro de 2021: Apple Lança o iPhone 23 Parallels Pro, o primeiro celular com 400 câmeras. E que também faz ligações extra-universais.


(Toca o telefone)

  • Alô (acordando)

  • Oi

  • Quem tá falando?

  • É o Eduf…

  • Você de novo?

  • É… Ainda tá acordado?

  • Não, né? Aqui é no meio da noite, pô.

  • Desculpa. Eu precisava falar com você.

  • Mas já é a terceira vez hoje! Por que você não liga pra outras versões suas?

  • Eu queria. Mas é que eu só consigo pagar o plano chamar 1 universo.

  • Imagina o que você iria fazer com o plano ilimitado. O que você quer?

  • É que eu vi que você parou de me seguir no Instagram.

  • Ah, vai.

  • Por que você fez isso?

  • Ah… sei lá. Eu tô deixando de seguir todo mundo.

  • Mas deixar de ME seguir… Você tá puto comigo… O que eu te fiz.

  • Não. Eu só quero sair dessa porcaria de rede social que só me traz dor de cabeça.

  • Pô, você sou eu. E eu não ia deixar de seguir alguém sem motivo. Não minta pra mim.

  • Pera aí. Eu não sou você. Eu sou eu. Não tenho nada a ver com você. A gente já falou sobre isso.

  • Como não. Você é o Eduf, só que, sei lá, de outro tipo.

  • Tá. Você ligou aqui pra discutir ISSO?

  • É, é…

  • Me acordou no meio da noite pra discutir ISSO?

  • Não é que… pensa só: eu não tenho outro Eduf pra conversar.

  • Como não? Você fica falando consigo mesmo o tempo todo! Da hora que acorda até a hora que vai dormir.

  • Mas aí é diferente! Sou eu falando comigo mesmo na minha própria cabeça.

  • Que nem todo mundo…

  • Sim. O que as pessoas tão pensando de mim, tô fedendo, tô feliz, tô triste, essa pessoa quer algo de mim, por que a vida faz isso só comigo… Isso não é falar consigo mesmo.

  • Como assim? O que cê tá querendo dizer?

  • Não sei direito. Mas não é a mesma coisa que falar com você. Eu penso como eu mesmo. Eu tenho as mesmas opiniões que eu mesmo, entende? Não posso conseguir uma opinião sincera de mim mesmo. Tipo… de modo geral, eu só penso na minha própria felicidade. Então eu sou ENVIESADO.

  • Então falar comigo é mais objetivo, é isso?

  • Sim. Você não é tão parcial quanto eu, manja?

  • Mas aí é só falar com qualquer pessoa na rua. De modo geral, elas também devem estar interessadas na felicidade delas.

  • Aí é que tá. Eu te conheço: você só tá interessado em si mesmo. Só que você sou eu. Então, você é a única pessoa segura pra eu conversar. Porque o seu interesse egoísta naturalmente coincide com meu próprio interesse!

  • Cara, eu acho que você deveria largar esse telefone agora e ir fazer faculdade de economia.

  • Tá vendo? É a típica piada que eu faria.

  • Mas eu já disse milhões de vezes. Eu não sou você. Eu sou uma outra versão sua, eu fiz outras escolhas e…

  • Não adianta, você não me convence. Me diz aí uma escolha que você fez que você acha que eu fiz diferente.

  • Hmmm (pensando) Tá. Você ia pras aulas de educação física na escola?

  • Claro que não, né?

  • Batata. É por isso que você tá aí ligando pra si mesmo a essa hora, só porque eu parei de te seguir no Instagram. Por isso que você é um nerd e que não consegue nem manter um relacionamento.

  • Ah, então você admite que você sou eu!

  • Não!

  • Tá. Mas você tá pegando pesado.

  • Você que me disse ontem que você tá separado.

  • E que diabo isso tem a ver com a educação física?

  • É que lá é que você aprende a lidar com gente. Aprende a não fugir de rejeição, a trabalhar em equipe…

  • Nah. Eu devo ter é asperger. Mas naquela época, na periferia de São Paulo, ninguém se ligava nessas coisas. Se minha mãe soubesse que eu tinha asperger iria querer me levar na Benzedeira, na Dona Celeste, que jogava óleo numa tigela e depois me benzia, fazendo o sinal da cruz na minha testa.

  • Você é que me disse que sua mulher falou que você tá tão preocupado em ser amado que não é capaz de amar.

  • E é tudo porque eu não ia na Educação Física.

  • Parte por conta disso. Você tinha que ter aprendido a negociar com as necessidades dos outros.

  • Isso porque não foi você que era chamado de Zebu na escola.

  • Zebu?

  • É. Um cara lá me colocou esse apelido e nunca soube explicar direito porque. Um dia ele disse que eu era feio e parecia o Belzebu. Aí os moleques acharam engraçado e eu virei Zebu durante toda minha adolescência.

  • O que eu vou dizer pra você? Apelido todo mundo tem.

  • E outra: eu não ia pra Educação Física, sem nem saber jogar bola, quando, na televisão passava Galaxy Rangers, Spiral Zone e tinha todas aqueles gibis pra ler e discos pra ouvir.

  • O Galaxy Rangers eu também gostava…

  • Tá vendo? Você sou eu! Só você pode dar uma opinião decente sobre mim. Só você pode me ajudar a tomar decisões certas. Você é o meu iChing!

  • Ah, vai se danar! Eu não tenho que gastar meu tempo com essa palhaçada. Eu vou desligar esse telefone que amanhã tenho que acordar cedo.

  • Não, não! Peraê.

  • Eu boto você de novo no Instagram, pô.

  • Não é pra isso que eu liguei.

  • Então desembucha logo, seu encosto quântico.

  • É que eu queria pedir um favor.

  • Oh my god, lá vem.

  • É que… é que… eu tô precisando de um… tipo… de uma grana pra comprar um laptop.

  • Ah! (Desliga o telefone)

  • Eduf? Eduf? Pô, eu nunca ia fazer isso comigo mesmo.